Vinícolas no deserto do Negev


hi-mundim-vinicola-israel

Yogev Tzadok na vinícola Kadesh Barnea / Foto Tal Gluck

Vinícolas israelenses estão recuperando áreas de vinícolas cultivadas por uma antiga civilização do Oriente Médio, os nabateus. A fazenda Carmey Avdat, estabelecida em 1998, é uma das noves vinícolas construídas ao longo das antigas rotas de vinho e especiarias no planalto do Negev. A maior relíquia da civilização dos nabateus, que aprendeu a conviver com a escassez de água, são as ruínas de Petra, na Jordânia.

“Durante nossas viagens através do Negev, deparamo-nos com o leito de um rio oculto com restos de um antigo vinhedo. Era um vinhedo da época dos nabateus, mais de 2 mil anos trás. Então, estabelecemos a Carmey Avdat lá”, conta Eyal Izrael. “Nos tempos dessa civilização antiga, havia fazendas de cultivo de uvas para a indústria do vinho na cidade de Avdat, e lá foram encontrados restos de uma adega e de uma cave”, completa.

Hoje, essas vinícolas – algumas localizadas em kibutzim – produzem vinhos com uvas da região – Syrah, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot, entre outras – colhidas à mão. Os vinhos produzidos são exportados até para os Estados Unidos. Em algumas dessas fazendas, os agrônomos estão tentando usar a água salgada na produção de vinho.

Os produtores de vinho de Negev se reúnem periodicamente para compartilhar ideias. As vinícolas são: Carmey Avdat, Kadesh Barnea, Ashba, Rota, Sde Boker, Nana, Sdema,Rujum e Derech Erez. Os visitantes podem fazer turismo pelas vinícolas e degustar os vinhos. Saiba mais no site – http://rng.org.il/