Viagem: dicas para economizar no câmbio


Festas de final de ano e as férias de verão são as temporadas preferidas pelos viajantes para conhecer outros países.

Segundo dados da Associação Brasileira de Operadores de Turismo – Braztoa – no ano passado, o número de brasileiros viajando para o exterior voltou a crescer, após dois anos seguidos de queda.

O número de embarques aumentou em 26%. Foram 1,2 milhão em 2017, contra 954 mil, em 2016. O faturamento subiu 18% no segmento de viagens internacionais.

Em 2018, espera-se um crescimento na área de turismo de 3% ao ano. Este número permanecerá até 2022, segundo a consultoria britânica Euromonitor, especializada em pesquisas sobre o mercado de bens e serviços em mais de 100 países.

Mesmo em situação de crise econômica, as estatísticas mostram que o brasileiro não deixa de viajar e gastar quantias significativas em viagens.

Além disso, dados divulgados pelo Banco Central, em fevereiro de 2018, quando consideradas as viagens para o exterior, as despesas totalizaram US$ 2,002 bilhões em janeiro. Este foi o maior montante para o mês, desde 2015.

No ano passado, as despesas no exterior somaram US$ 19,002 bilhões.

Quem vai viajar para o exterior, precisa se programar direito para não perder dinheiro na hora de fazer a compra de moedas do país que irá visitar.

“Quando as pessoas vão viajar, ficam tão entusiasmadas que compram as moedas estrangeiras em qualquer loja de câmbio. Depois percebem que perderam dinheiro e, que se tivessem pesquisado com cuidado e acompanhado as taxas e os preços teriam mais vantagens,” ressalta Mauriciano Cavalcante, gerente de câmbio da empresa Ourominas.

Dicas para economizar no câmbio:

  • Compre a moeda local antes de sair do Brasil. Sai mais caro fazer a conversão fora do país, principalmente em aeroportos;
  • Evite comprar moedas estrangeiras próximo à viagem. Compre aos poucos, conforme seu capital, aproveitando a cotação média menor. Comprando tudo de uma vez, você pode pegar taxas mais altas;
  • Leve sempre um cartão pré-pago, pois ele é mais seguro e serve para o caso de você gastar mais do que levou em espécie. Também é mais seguro em caso de perda, furto ou roubo, pois é possível bloqueá-lo;
  • Prefira moedas locais. Ex.: se for viajar para a Argentina, compre 50% de moedas em peso argentino; México, leve 50% de peso mexicano; Colômbia, compre 50% em peso colombiano. No Canadá, compre 100% do dólar canadense; Europa, (exceto Londres), compre 100% de euro e nos demais países (Japão, Austrália, Suíça, África do Sul), leve 100% da moeda local, pois nessas regiões o Real tem o câmbio valorizado;
  • Evite usar o cartão de crédito, pois ele tem o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) muito alto (6,38%) e a cotação da moeda será do dia da compra. E, lembre-se, o IOF cai para 1,1% para quem compra moeda estrangeira em espécie.