Na estrada com o Range Rover Evoque


Destino e estradas desconhecidos. A intenção era percorrer cerca de 400 quilômetros, de São José do Rio Preto (SP) até Capitólio (MG). Para isso, contamos com um veículo preparado para todos os terrenos e seguro. Pegamos a estrada a bordo do Range Rover Evoque, veículo cedido pela Eurobike para a nossa viagem até Capitólio, onde fica a lagoa de Furnas, também chamada de mar de Minas.

Saímos de Rio Preto numa segunda, por volta das 11 da manhã. Dia quente. Equipado com GPS, a versão Prestige (custa R$ 205,9 mil) tinha também teto solar panorâmico (ele não abre). Ao longo do percurso percebemos que este item favoreceu a visão das belezas naturais de Minas Gerais. Primeira coisa ao entrar no carro: inserir o endereço no GPS e chegar com tranquilidade.

O equipamento nos mostrou um percurso que saía de Rio Preto, passava por Olímpia, Barretos, Bebedouro, Ribeirão Preto, São Sebastião do Paraíso, Itaú de Minas, Passos e, enfim, Capitólio. Fizemos a viagem, de cerca de 470 quilômetros nesse trecho, durante seis horas (com muitas paradas para fotos, petiscos mineiros).

O Range Rover Evoque Prestige tem motor turbo, com injeção direta a gasolina Si4 de 2.0 litros e 240 cavalos de potência, torque de 340 Nm em 1.750 rpm e câmbio automático de seis marchas, com opção de mudanças sequenciais por botões dispostos na parte de trás do volante. A alavanca de câmbio foi substituída pelo sistema Drive Selector. Com ele, a troca de marchas é feita ao girar um botão no centro do console. O Evoque conta com o botão Start/Stop, que dispensa o uso de chave.

Viagem tranquila

Em nossa viagem, a maioria dos trechos era de pista simples e a potência do motor foi essencial na hora das ultrapassagens. Na estrada, encontramos alguns trecho em péssimas condições nas proximidades de Barretos. Já em Minas Gerais, tudo ok. A viagem foi atrasada porque em muitos pontos a rodovia estava em obras em MG. Mas nada que tirasse o nosso humor. Fizemos um trajeto mais longo, com pistas em boas condições. E com muitos pedágios.
Apesar de compacto, as quatro pessoas da nossa equipe de reportagem viajaram confortavelmente. O único ponto negativo foi a falta de saída de ar condicionado para os bancos traseiros. Mas o veículo oferece bom espaço interno e também para a bagagem. O porta-malas tem capacidade para 420 litros. No entanto, eram quatro pessoas, com malas pequenas.

Além de um conjunto motor que não decepciona, este SUV britânico impressiona pelo acabamento interno, equipamentos e pelo visual moderno. Por fora, o modelo traz acabamento cromado na grade frontal, nas saídas de ar laterais e nos faróis de neblina. As rodas são em liga leve de aro 19.

Por dentro, os bancos com desenho exclusivo proporcionam conforto extra aos ocupantes, que também contam com o sistema de som Meridiam de 11 alto-falantes de 380W, entrada para iPod e duas saídas USB. Ao todo, são cinco opções de cores de acabamento. Ah! Outro item que chama a atenção é a possibilidade de mudar a iluminação interna da cabine. Azul, cinza, rosa, vermelho…As luzes do interior (portas e console central) ficam da cor que o motorista quiser, de acordo com seu humor.

Off-road em Capitólio

Após viagem tranqüila, enfim, Capitólio. Lindas paisagens e o lago de Furnas. Lá, é preciso fazer tudo de carro, se quiser visitar as diversas cachoeiras do lugar. Escolhemos ir até a Cachoeira do Lobo. Para isso, tivemos de percorrer um trecho de asfalto, cerca de 5 quilômetros e outros 14 em estrada de terra. Sem problemas, já o Evoque oferece tração integral nas quatro rodas.

E foi nesse trecho que pudemos testar o sistema Terrain ResponseTM, que adapta as configurações de tração, motor, suspensão e torque de acordo com o tipo de terreno em que se trafega, como areia, pedras, água e até neve. Utilizamos a configuração para areia. Aqui percebemos que o Evoque, assim como no asfalto, tem suspensão equilibrada e direção firme.

Com generosa altura em relação ao solo, passar por buracos e pedras nesse trecho não foi problema. Outros sistemas que nos auxiliaram bastante foram o Controle de descida em declive (HDC), assistente de partida em ladeira (HSA), pois em Minas há muitas ladeiras. Com o HDC ligado, o Evoque descia com suavidade as íngremes ladeiras de Capitólio.

O modelo traz também sistema pak assist, que ajuda (e muito!) na hora de estacionar, com sensores na traseira e dianteira, banco elétricos, tem ar-condicionado automático, sistema de navegação HDD, bluetooth com audio streaming, entre outros. Esta versão que testamos, a Prestige, tinha um rack (acessório) para esportes náuticos instalado no teto, com capacidade para 45 kg. É possível levar prancha de surf, sailboard, canoa ou kayak, De acordo com a Land Rover, para fazer esse transporte é necessário instalar um suporte longitudinal que custa R$3.495 e um suporte transversal que custa R$935, depois o rack, que só transporta bike, com valor de é R$990. Para transportar outros itens precisa de rack específicos.

Hora de voltar

Após três dias, hora de arrumar as malas e pegar a estrada de volta para São José do Rio Preto. No GPS, desta vez resolvemos procurar um caminho mais curto. Com apenas um pedágio e passando por Passos, Franca e Barretos, o trajeto de volta foi de 393 quilômetros e somente um pedágio. Por outro lado, enfrentamos trechos bem ruins.

Principalmente em Barretos, onde circulam muitos caminhões carregados com cana-de-açúcar. É preciso muita atenção e cuidado redobrado. O consumo médio durante a viagem foi de 9 km/l. Ah! Lembre-se de que em Minas Gerais o combustível é bem mais caro. O litro da gasolina, em dezembro de 2013, quando fizemos essa viagem, custava entre R$ 3 e R$ 3,29.