Festival Ações Literárias homenageia Rubem Alves

Rubem Alves é o homenageado do Festival Ações Literárias

Por Graziela Delalibera

Com dez dias de programação online e gratuita para todas as idades, em 58 horas de transmissão e 38 atividades envolvendo 50 artistas e trabalhadores da área cultural, começou ontem (29) e segue até o dia 7 de fevereiro a segunda edição do Festival Ações Literárias (FAL).

O evento acontece de forma virtual em razão da pandemia do novo coronavírus e homenageia o escritor e educador mineiro Rubem Alves (1933-2014). Em sua primeira edição, em 2019, o homenageado foi o educador Paulo Freire (1921-1997).

Realizado pela casa de criar – espaço de arte e formação cultural independente sediado em São José do Rio Preto (SP) -, através da Lei Aldir Blanc, o FAL tem como tema “Rubem Alves: a importância da educação dos sentidos”.

O público pode conferir, de sua própria casa, bate-papos com escritores, saraus, contações de história para crianças, jovens e adultos, apresentações musicais, espetáculos de teatro, oficinas, leituras e outras atividades. Toda a programação será transmitida ao vivo pelo canal da casa de criar no YouTube e no Facebook.

O festival foi aberto na sexta-feira, às 14 horas, com o bate-papo “Quem é Rubem Alves?”, com o professor doutor Carlos Rodrigues Brandão, amigo do escritor por mais de 40 anos. Em uma conversa afetiva com a educadora Carolina Manzato, curadora do FAL, Brandão contou suas memórias sobre o autor homenageado, falando sobre livros que escreveram juntos e sobre a obra em que adaptou textos de Rubem Alves para a poesia.

Em seu primeiro dia, o festival ofereceu mais quatro atividades: a Oficina de Storylines com José Vitor Rack, escritor, dramaturgo e roteirista; a Contação de História “Os Três Irmãos”, com a arte-educadora e contadora de histórias Dani Ribeiro; bate-papo com o educador e pesquisador indígena Tiago Nhandewa, de Avaí, e show autoral de André Fernandes.

Fim de semana

A programação segue com oficinas, contações de histórias, bate-papos, música e leituras, em um total de nove atividades entre hoje (30) e amanhã (31), sempre a partir das 14 horas.

Entre os destaques deste sábado está a contação em libras “Um apólogo”, com alunos do curso de Letras da Unilago, adaptação do conto de Machado de Assis para a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Também haverá o bate-papo “Literatura e surdez: fusão, confusão, difusão”, com Gláucio Camargos, psicanalista, mestre em Psicologia e Saúde e doutorando em Ciências da Saúde.

O bate-papo tem como objetivo investigar as representações de leitor, leitura e literatura que se constroem a partir de obras literárias em Libras que circulam no contexto da formação cultural de pessoas surdas.

Ainda no sábado, acontece a primeira da série de três lives sobre produção escrita e leitura intitulada “Protagonismo LGBTQIA+: abram seus olhos, limpem seus ouvidos”, com Lucas Horas, estudante de Letras e já atuante na área da educação, e DJ Basim. Lucas se conectou a pessoas LGBTQIA+ e solicitou textos (escritos ou orais) que façam o interlace entre a captação do mundo, via sentidos, por parte delas, e as experiências de vida fora da divisão normativa binária de gênero e da heteronormatividade.

Os convidados participam das lives fazendo leituras de trechos ao som de playlists criadas por Basim.

No domingo, a programação começa com a oficina “Contação Holística de História”, com Akila Moreira, arte-educadora, atriz, palhaça profissional e escritora infantil. O público também poderá acompanhar bate-papo com o jornalista e escritor Raul Marques, oficina de fanzine, entre outras atividades.

Oficinas

As pessoas interessadas em participar das oficinas devem fazer inscrição pelo site https://fal.casadecriar.com.br/, a fim de receberem instruções sobre os materiais a serem utilizados. Apenas para a oficina “Brincadeiras de Papel/Meu Primeiro Livro” as vagas são limitadas, e a seleção será por ordem de inscrição. Para as demais oficinas, não há limite de vagas.

“O festival de leitura online parte de um entrelace de atividades que giram em torno da literatura – por onde, com maestria, nosso homenageado, Rubem Alves, transitou – e de outras linguagens da arte, também bastante mencionadas em seus textos e que corroboram com a formação integral do indivíduo, uma das ideias que compuseram seu legado para o campo educacional”, explica a curadora do FAL, Carolina Manzato.

A educadora Carolina Manzato é curadora do Festival Ações Literárias

Sobre o homenageado

Escritor, educador e psicanalista mineiro nascido em Dores da Boa Esperança, Rubem Alves, em sua produção literária, contemplou, como leitores e leitoras, pessoas de diferentes momentos e abordou temáticas humanas que perpassam as mais diversas idades: tem muitos livros infantis, crônicas que abordam o cotidiano, a vida adulta, a velhice e a arte.

“Foi alguém com importantíssimas contribuições à educação, escritor de literatura em todas as suas potencialidades e perspectivas, que vislumbrava um mundo em que a educação compreendesse o ser humano como complexo, integral, sensível e emocional, absolutamente fruidor e produtor de arte, se respeitado em seus direitos desde a infância, em especial em seu processo educacional”, pontua a curadora do FAL.

Serviço

2º Festival Ações Literárias (FAL) – Rubem Alves: a importância da educação dos sentidos

Quando: 29 de janeiro a 7 de fevereiro de 2021
Onde: canal casa de criar no YouTube e perfil @casadecriar no Facebook
Realização: casa de criar, através do Edital 06/2020 – Auxílio para Festivais de Culturas, da Lei Aldir Blanc, lançado pela Secretaria Municipal de Cultura de São José do Rio Preto

Programação completa: https://fal.casadecriar.com.br/