Cia. Baladeiro estreia ‘Refugo’


A Cia. Beradeiro, de São José do Rio Preto/SP, faz a partir de sábado, 25 de dezembro, temporada de estreia de seu mais novo trabalho, a peça online “Refugo”.

As sessões são diárias e gratuitas, sempre 19h, no canal do YouTube da própria companhia e de coletivos artísticos parceiros, e acontecem até 30 de dezembro, na seguinte sequência: Cia. Beradeiro; Cia. Cid Chagas (Pereira Barreto); GAL – Grupo de Apoio à Loucura (São José do Rio Preto); C.I.A. 3 (Araçatuba); Cênica (São José do Rio Preto); e Os Geraldos (Campinas). Os links das exibições serão disponibilizados na bio da companhia no Instagram (@cia.beradeiro).

Livremente inspirada na obra “Fuge”, da inglesa Abi Morgan, a peça tem dramaturgia construída de forma coletiva e propõe reflexões em torno de um dos grandes dramas contemporâneos a partir da história de um grupo de crianças e adolescentes que se encontra em um abrigo: as crises migratórias.

O trabalho conta com direção de Fabiano Amigucci e provocação de Fagner Rodrigues e é fruto de orientação artística realizada por artistas da Cênica junto ao grupo, iniciada em 2019. No elenco criador estão Christina Martins, Daiane Souza, David Balt, Deivison Miranda, Esmeraldina Reis, Ester Carvalho, Gael Camillo, Giovana de Paula, Jessica Paladino, Nathalia Navarro, Suria Amanda, Vera Gama e Vladimir Banhara.

O texto original acompanha o personagem Kojo, que em seu aniversário de 11 anos vê sua família ser morta em meio à guerra civil e aos 14 anos é mandado para um abrigo de crianças refugiadas. Na terra que representa esperança, ele encontra Ara e Cheung, também órfãos, e juntos contam suas histórias de infância perdida. Um assassinato é cometido por uma criança que todos consideram um homem e Kojo é expulso do abrigo. 

A montagem cria conexões entre a realidade brasileira e a mundial e apresenta diversos dilemas que envolvem as personagens a níveis individuais e coletivos. “Através do trabalho de pesquisa das personagens em suas trajetórias, buscamos encontrar dados e histórias que conversem com a realidade de refugiados no mundo todo, criando a gênese e dando vida às individualidades de cada figura apresentada”, pontua o grupo.

Para a peça online, a direção propõe uma encenação dinâmica por meio de um jogo metafórico e poético, onde atores e personagens se mesclam e se separam, sobressaindo a representação social às individualidades.

Narrativas repletas de conflitos e comunicabilidade suscitam questões envolvendo políticas públicas falhas, negligência, violência, abuso, opressão e união. Assim, é formada uma teia de reflexos e reflexões, unindo perpetuamente o sujeito à coletividade, mesmo que à distância.

“No caso dos refugiados, a situação torna-se ainda mais complicada dentro da dinâmica do sistema capitalista, pois todas as referências de posse, em especial de sua própria terra, lhes são tiradas, colocando-os assim em uma categoria de maior exclusão, risco e vulnerabilidade social, diante das necessidades de abrigo e outros recursos necessários ao seu desenvolvimento em território estrangeiro”, refletem integrantes da Beradeiro.

Para eles, pensar sobre a situação de pessoas em refúgio é igualmente “pensar na condição humana e sua relação com o meio, condição essa que transpõe os limites de classe, credo, gênero ou posição política. Pensar sobre as condições básicas da vida humana é responsabilidade coletiva e mundial”.

A programação envolve ainda duas rodas de conversa, dias 25 e 30 de dezembro, 20h. A primeira será a respeito do espetáculo, sua criação e sua temática, com o elenco e orientadores da Cênica. A segunda, sobre a formação de grupos independentes no interior, com Douglas Novais (Os Geraldos).

O projeto é viabilizado pelo Edital de produção e temporada de espetáculo online do ProAC LAB/Lei Aldir Blanc, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura.

SINOPSE

O termo Refugo é utilizado como gíria para indivíduos em situação de refúgio, que por motivos de opressão política ou catástrofe natural solicitam asilo e residência em países estrangeiros. A trama se dá por meio de crianças e adolescentes que se encontram em um abrigo; variados dilemas os envolvem a níveis individuais e coletivos.

Personagens e atores se mesclam em meio às narrativas, que se apresentam repletas de conflitos e comunicabilidade. Políticas públicas falhas, negligência, violência, abuso, opressão e união, são algumas das palavras que permeiam este cenário. Um teatro épico, fantasioso, realista, político, trágico e cômico a levar a refletir e nos questionarmos: o que é ser um estranho em terras estrangeiras? Como são vistos, tratados e acolhidos? E o que é ser uma criança ou adolescente a meio a este contexto?

SERVIÇO

REFUGO – Online, com a Cia. Beradeiro

De 25 a 30/12, sessões diárias, 19h. 60 minutos. 12 anos.

Dias 25 e 30/12, rodas de discussão, 20h.

No YouTube da Cia. Beradeiro e coletivos parceiros. Links das transmissões disponíveis no Instagram @cia.beradeiro

Gratuito

Programação:

Sessões

25/12 – Youtube / Cia. Beradeiro, 19h

26/12 – Youtube / Cia Cid Chagas, 19h

27/12 – Youtube / Grupo GAL, 19h

28/12 – Youtube / C.I.A. 3, 19h

29/12 – Youtube / Cênica, 19h

30/12 – Youtube / Os Geraldos, 19h

Rodas de discussão

25/12 – Via Zoom, 20h, sobre o processo de criação do espetáculo e sua temática, com o elenco e artistas orientadores da Cênica

30/12 – Via Youtube do grupo Os Geraldos, 20h, sobre a formação de grupos independentes no interior, com Douglas Novais (Os Geraldos)