Bar do Cidinho, de Rio Preto, é eleito o 3º melhor do país


No dia 15 de setembro, o Bar do Cidinho foi eleito, pela quarta vez, o campeão do Comida di Buteco 2021, em Rio Preto. E na quarta-feira, dia 6 de outubro, o bar rio-pretense ficou em 3º lugar como o melhor do Brasil. O petisco criado pelo Bar do Cidinho foi a “Costeleti de batata-doce”, uma massa de batata-doce recheada com costela e creme de milho, servida com molho de chumichurri.

Cleusa Helena Adame, proprietária do Bar do Cidinho, terceiro colocado destacou que para eles representa muito trabalho. “Da escolha do cliente, das aprendizagens, uma questão de sobrevivência. É saber que no meio de tanta dificuldade tivemos a alegria de continuar participando e o resultado trouxe alegria pro coração.”

O Bar do Jão, de São Paulo, foi eleito o melhor buteco do país em 2021. Após dois meses do concurso, a revelação aconteceu na última quarta (6/10), em São Paulo, em evento que reuniu os 21 campeões da etapas regionais.

Bar do Jão
Bar do Jão

Esta foi a 2ª vez que o buteco paulista venceu a eleição, que tem como quesitos avaliados, além de higiene, atendimento e temperatura da bebida, o petisco, compondo o buteco que encantou o júri especialmente formado para a Fase Nacional.

Roupa velha
Roupa velha

O campeão apresentou o petisco “Lascas Madeirense da Vó Encarnação”. A segunda colocação ficou com Boteco do Portuga de Nova Iguaçu (RJ), que apresentou petisco “Roupa Velha”, enquanto o terceiro colocado foi o Bar do Cidinho de São José do Rio Preto (SP) com o petisco “Costeleti de batata-doce”.

Bar do Cidinho no Comida di Buteco

Ao término de sua 21ª edição, o Comida di Buteco reforçou seu propósito de preservar e evoluir os pequenos negócios familiares chamados “butecos”. Participaram da 11ª do Comida di Buteco em Rio Preto dez bares, oito de Rio Preto e dois de Mirassol.

Bar do Cidinho
Bar do Cidinho

Com o tema Raiz, o concurso deste ano pôde mostrar a variedade e criatividade dos butecos para cativar seus consumidores e poder brigar pelo título do principal concurso do gênero do país. E é o pioneiro e único em todo o mundo a reconhecer um ícone da cultura local em abrangência nacional.

“A eleição do melhor buteco reúne apenas campeões, ou seja, são todos vencedores. Isso ganha um valor ainda maior após as dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19, que obrigaram a transferência da edição do ano passado para este e a inclusão de um formato híbrido, incluindo o delivery e a retirada nos estabelecimentos”, explica Flávia Rocha, organizadora do Comida di Buteco.

O grande campeão, Alexandre Alves Nunes, do Bar do Jão, ressaltou a importância da vitória em uma eleição de feras. “Estar participando nesta retomada já é uma vitória, chegar ao pódio é uma emoção indescritível. Só quem está no dia a dia sabe a nossa luta, é muito gratificante. Não tenho palavras para agradecer.

O segundo lugar do Bar do Portuga ressaltou a luta destes pequenos empresários durante a pandemia, segundo Paulo Faria, proprietário, representar a baixada fluminense, o Rio de Janeiro e ficar em segundo como o melhor buteco do Brasil é satisfatório.

“Nos empenhamos muito, ficamos muito felizes em saber que o Comida di buteco proporciona isso para nós. É muito emocionante, estou feliz, mas no fundo com vontade de chorar de abraçar a todos, já que passamos por esse processo de prova já que sobrevivemos a essa crise política e financeira que o Brasil está vivendo. Empreendendo, investindo e acreditando que somos capazes. Somos pequenos, mas somos fortes e quando a gente se junta nos tornamos uma potência.”

Fase Nacional

1º São Paulo (SP) – Bar do Jão – “Lascas Madeirense da Vó Encarnação”

2º Rio de Janeiro (RJ) – Boteco do Portuga(Nova Iguaçu) – “Roupa Velha”

São José do Rio Preto (SP) – Bar do Cidinho – “Costeleti de batata-doce”