Alugue um apê em NYC


hi-mundim-ruaapeApós decidir em que época do ano visitar Nova Iorque – nós optamos pela primavera – é o momento de buscar a hospedagem. Adeptos do “Do it yourself”, gostamos de planejar o nosso próprio roteiro e, de preferência, alugar uma moradia para experimentar viver como um local. Em 2009, quando estivemos em Buenos Aires, alugamos um apartamento na área central pela Al Sol Baires. Na época, pagamos 250 dólares por sete dias de hospedagem em um apartamento com um quarto, sala, cozinha e banheiro. Se for alugar um apartamento, o ideal é que fique pelo menos sete dias no lugar. Mas lembrando que em Nova Iorque só é possível e autorizado por lei alugar um apartamento por um período de mais de 30 dias (Leia no Viaje na viagem um post sobre o aluguel em NY)

Outra dica é procurar referências e, se possível, conversar com outras pessoas que já alugaram o mesmo lugar. Desta vez, ao procurar um apartamento em Nova Iorque buscamos imóveis com boas (e muitas) referências. Optamos pelo site Airbnb, que além de quartos, oferece a opção de alugar todo o imóvel. Muitas vezes, alugar um apê fica mais barato que hostel. Isso vai depender, claro, da localização e da estrutura do imóvel. Tenha em mente que TUDO em Manhattan é muito caro. Principalmente a hospedagem.

Foram vários dias de pesquisa. Como íamos viajar com duas amigas, procurávamos um apê com dois quartos e, se possível, dois banheiros (no way!). No Airbnb você encontra de tudo: quartos, apartamentos completos, casas, trailers, barcos e até castelos. Em todo lugar do mundo! Tem para todos os gostos e bolsos.

Durante a pesquisa, além de ficar atentos às referências, buscamos informações sobre localização, segurança no bairro e transporte. Nossa intenção era conseguir algo bem na área central, mas quanto mais perto da Times Square, mais caro fica. Decidimos então, ampliar a busca. Encontramos nosso apartamento no Upper West Side, área de Manhattan onde moraram Frank Sinatra, Marilyn Monroe, John Lennon e, ainda hoje, Yoko Ono.

Depois de encontrado, foi só entrar em contato com o proprietário e alugar. Para isso, é preciso ter um perfil no Airbnb. Ah, e você corre o risco do dono do imóvel não ir com a sua cara e não aceitar o contrato. Isso aconteceu com a gente.

“Nossa” casa em NYC

hi-mundim-interna-apeNosso apartamento ficava mais ao norte, a duas quadras do Central Park e a algumas quadras do rio Hudson, de onde se vê Nova Jersey. Nas proximidades, muitas delicatessens (as famosas “Delis”), metrô, grandes lojas – Wallgreens, JC Penney, Whole Foods Market – farmácias (Duane Reade), pubs, pizzarias e restaurantes. O West Side hoje é conhecido como bairro gastronômico.

Alugar um apartamento pelo Airbnb é simples. O pagamento é feito na hora, independente da data da hospedagem. Você marca um horário de chegada e o proprietário o aguarda no local.

O apartamento era todo equipado. Dois quartos, cozinha com fogão, geladeira, lava-roupas, micro-ondas. Tevê a cabo e também wi-fi. Além disso, tínhamos à disposição duas bikes.

Ah! O traslado do Aeroporto JFK para o apartamento em um shuttle custou cerca de 40 dólares (duas pessoas). Você pode contratar online ou lá no aeroporto mesmo. O shuttle é uma van e leva várias pessoas. Se estiver com pressa, evite. Vá de taxi.

Primeiro dia

hi-mundim-andancasComo chegamos por volta de 20 horas, não fizemos muita coisa. Demos uma volta e fomos dormir. No primeiro dia, acordar cedo e sair! O café da manhã foi no apartamento mesmo. Seguimos pela avenida Central Park West, que passa ao lado do Central Park.
É muito agradável caminhar por Nova Iorque.

Mas vá de tênis. Do apê até a Times Square, foram 5,2 quilômetros. Neste dia, demos uma passada no Central Park, visitamos a Times Square e o Rockefeller Center (tema para outro post). Andamos MUITO! Saímos por volta das 8h30 e 16 horas pegamos um táxi para voltar pra casa. É barato, mas fique atento, pois na hora do rush pode sair bem caro por causa do trânsito.

 

City Pass

hi-mundim-citypassAntes da viagem você já deve ter em mente os que deseja visitar em NY. E para visitar as atrações e pontos turísticos você pode comprar os ingressos online, para cada uma, ou usar o City Pass. Nós recebemos dois City Pass de cortesia. Com ele, você consegue até 40% de desconto nos valores das atrações. Mas o mais legal é ter acesso vip, sem precisar ficar nas filas para comprar.

O City Pass dá direito a seis atrações – Empire State Building, Museu Americano de História Natural, Metropolitan Museum of Art, MoMA (Museu de Arte Moderna), Top of Rock ou Museu Guggenheim, Estátua da Liberdade e Ellis Island ou Cruzeiros da Circle Line. Ele custa 109 dólares (adultos, com idade acima de 18 anos) e 82 dólares (crianças e adolescentes com idades entre 6 e 17 anos). Eles são válidos por nove dias e você pode visitar a atração quando quiser.

É possível comprar online, nas atrações e também na Central de Atendimento NYC & Company, que fica na 7ª avenida, número 810. Lá, você também encontra informações sobre turismo, shows e outros museus. É bem interessante dar uma passada por lá assim que chegar em Manhattan.

Antes de alugar:

– Verifique as referências do proprietário, comentários no site

– Desconfie de preços muito baixos e fotos muito, muito bem produzidas em anúncios com poucas referências e comentários

– No Airbnb você paga no momento da reserva, mas o proprietário do imóvel só recebe o dinheiro um dia depois da sua chegada no local.

– Pesquise muito. Mas muito mesmo!

– Tire todas as suas dúvidas com o proprietário: regras da casa, vizinhança…

– Muitos prédios são antigos e têm escadas ( o nosso eram quatro lances até o apê). Fique atento.

Curiosidades Airbnb

– 550 mil imóveis são alugados em todo o mundo
– 82% divide a casa onde moram
– Foram recebidas 11 milhões de pessoas, que experimentaram viver como locais e não como turistas
– 76% dos viajantes desejam explorar uma determinada vizinhança
– 89% desejam viver como locais
– 76% das opções de hospedagem do Airbnb ficam afastadas das áreas de hotéis
– Os viajantes que usam o Airbnb ficam no lugar por mais tempo e gastam mais. Em diversas áreas da cidade.
– Em Nova Iorque, os visitantes costumam ficar no Harlem, Bedford-Stuyvesant e Astoria